Publicidade


Notícias


Pesquise


Baú Açoriano: Cultura

Baú Açoriano: "A Origem do Pão Por Deus", tradição da época de Finados - pelo pesquisador Ronaldo Pires

# por Ronaldo Augusto Pires 01-11-2020 há 3 semanas 614

  • Tweet

Publicidade

Com o passar dos anos foi cada vez mais promovido pela Igreja Católica o culto dos mortos, e a tradição de reservar lugar à mesa, e também de deixar comida para os mesmos.

As oferendas aos mortos nestas alturas do ano são comuns em diversas culturas pagãs, incluindo as celtas que habitaram o que é hoje Portugal.

Começou também o costume de deixar o primeiro pão de uma fornada nesta altura à porta da casa tapado por um pano. Seria para honrar os mortos, mas a intenção era também que quem de mais pobre por ali passasse tomasse a parte física para si.

Assim este pão para os fiéis defuntos começou a ter a vertente de partilha com quem necessitava.

Pão Caseiro
Pão Caseirom. Foto: Site a Senhora do Monte


O Pão Por Deus é uma tradição bem Portuguesa, mas a sua origem evolução e história até hoje é algo fascinante. Por vezes no entanto pensamos que poderá estar ameaçado por um Halloween que até poderá ter raízes longínquas partilhadas.

A globalização tem cada vez implementado mais o Halloween entre os Portugueses. O fenómeno da televisão, e mais recentemente a Internet, trazem até nós esta festividade anglo-saxónica.

 

Pão por Deus em Portugal
Pão por Deus em Portugal. Foto: Site NCultura


Pão por Deus nos Açores

Nos Açores a expressão Pão por Deus, expandiu-se pela necessidade de ajuda à população pobre. Poesia composta de uma ou mais estrofes, quase sempre de quatro versos, era usada inicialmente na literatura oral do Brasil, depois manuscrita em papel, que continha sempre as palavras Pão por Deus. Até o século XIX eles não eram assinados.

O Pão-por-Deus é uma forma artística folclórica de “pedir-os-reis”, ou seja, uma contribuição cultural trazida pelos imigrantes açorianos.

Nos arquipélagos dos Açores e Madeira, tais pedidos eram feitos nos dias 1 e 2 de novembro, enquanto que aqui no Brasil, acontecia nos meses anteriores. Lá, eram as crianças que pediam pão e guloseimas. 

 

Pão por Deus nos Açores
Pão por Deus nos Açores. Foto: Site ofportugal.com



Pão por Deus no Litoral Catarinense

Aqui, em nosso litoral,  graças à dinâmica do folclore, passou a ser utilizada, entre os enamorados, para pedir amor. Aliás, sabemos que não só de pão vive o homem!

A pureza destes costumes davam à vida simples do nosso povo, o mais belo dos encantos, com o envio do Pão por Deus. Esta comunicação singela e romântica em forma de mensagens de amor, simpatia e amizade eram escritas em lindos papéis rendilhados, coloridos, em forma de coração, ou de acordo com a sensibilidade artística de cada um.

As mensagens em versos circulavam entre os namorados, parentes e pessoas amigas e os pedidos de prendas traduziam os mais caros sentimentos dos autores.

Quem recebe um pedido de “Pão por Deus”, fica na obrigação de responder até o Natal, enviando uma oferta ao solicitante.
 

Pão por Deus. Foto: Site Prefeitura de São José


O “Pão por Deus” tem sido motivo de interesse e pesquisa de historiadores, jornalistas, escritores, folcloristas, no passado e no presente. Nomes como: Crispim Mira e Lucas Alexandre Boiteux, no início do século XX; Osvaldo Rodrigues Cabral e Henrique da Silva Fontes, em um passado recente, e Doralécio Soares, no presente, deram a sua contribuição ao tema, seja pela discussão de suas origens ou pela coleta de quadrinhas e tipos de corações.

Henrique da Silva Fontes realizou a síntese dessa discussão:

“Os corações-missivas de simpatia, de amizade ou de amor, a que se dá o nome de Pão por Deus constituem velho uso da população do litoral catarinense. É, entretanto, o uso que está em vias de desaparecimento, pois só é mantido, e sem a antiga gentileza e generalidade, em pobres localidades rurais.

O pedido é feito em verso, comumente numa quadrinha setessílaba. O papel da missiva, branco ou de cor, é rendilhado a bico de tesourinha, ou também entrançado, podendo ser ainda variadamente colorido e ornamentado. Arma-se, às vezes, como cestinha e pode apresentar-se com outras formas. Em regra, porém, na configuração e nos recortes, estiliza um coração símbolo que dá o nome à missiva”.

Quanto às origens, diz Henrique da Silva Fontes, “os corações” não vieram de Portugal e suas ilhas povoadoras do litoral catarinense. “O que recebemos dos portugueses e dos açorianos foi a expressão Pão-por-Deus, corresponde, é certo, a um pedido e a uma dádiva, mas com forma e objetivo diferente” e acrescenta, transcrevendo Osvaldo Rodrigues Cabral:

“É evidente que o Pão por Deus sofreu com a viagem através do Atlântico e dos séculos que passaram, modificações que poderão ser assim resumidas:

  1.  quanto à época: lá, quer nas ilhas açorianas, quer no arquipélago da Madeira, o dia do peditório é o 01 de novembro, ou então, o mais tarde, o dia 2, dia de Finados; aqui estas datas marcam o fim da temporada do peditório.
  2.  quanto às pessoas: lá são os meninos que pedem pão, guloseimas, etc.; aqui, o costume foi modificado, passando os pedintes a ter qualquer idade e o objeto do pedido qualquer outra coisa, até mesmo amor…
  3.  quanto ao meio de fazer o pedido: lá, as cantorias infantis ou as solicitações simples; aqui, adotado o costume pelos adultos, criaram-se os “corações”, apropriados para as solicitações amorosas. Em outras palavras: lá, a solicitação oral; aqui, escrita e, com esta, a invenção da missiva simbólica. Não obstante a transformação porque veio a passar, o costume conservou, entretanto, o nome e a época do pedido”.
Pão por Deus. Foto: Site silolírico.com

Foto: Igreja Sant’Anna de Vila Nova


Em nossa região do Lagos, mais precisamente em Sant’Anna de Villa Nova, Mirim, Guaiúba, dente outros locais, essa prática do Pão por Deus tinha ainda, grande desenvolvimento até pelos anos 40. Iniciava-se na primavera, mais precisamente no mês de setembro e outubro. Minha avó centenária, diz que encaminhou um Pão por Deus quando era moça e ganhou “um core de fazenda”, um pedaço de tecido para fazer alguma peça de roupa.
 

Poeta Vevé. Foto: Roni Ronaldo


Meu avô, deixou vários versinhos de Pão por Deus escritos:

Tu sabes que eu te amo
Isso eu não posso negar
Se me mandar Pão por Deus
Cada vez mais vou te amar.

Meu coração vai voando
Igual uma ave ferida
Vai pedir um Pão por Deus
Para a paixão da minha vida.

Lá vai meu coração
Na asa de um gavião
Manda pedir Pão por Deus
Meu amor, minha paixão.

Promessa também é dívida
Quem deve tem que pagar
Se me mandar Pão por Deus
Claro que eu vou perdoar.

Estou escrevendo essas linhas
Em prova de nossa amizade
Mando pedir pão por Deus
Para matar minha saudade.

Pão por Deus é uma dívida
Que tem que ser retribuída
Por favor não vai deixar
Minha esperança perdida.

A Casa Açoriana freguesia Sant’Anna de Villa Nova, em 2018 nas suas oficinas culturais, desenvolveu a prática do Pão por Deus.

  

Confecção Pão por Deus, Foto: Roni Ronaldo


Confecção Pão por Deus. Foto: Roni Ronaldo


Oficina de Pão por Deus – Casa Açoriana. Foto: Roni Ronaldo


 

Temos que cada vez mais propagar essa cultura literária do Pão por Deus. 

Um dos motivos pelos quais o Pão por Deus foi desaparecendo deve-se ao alto índice de analfabetismo no Brasil. Muitas pessoas em todas as épocas deixaram de escrever e enviar missivas por desconhecimento da leitura e da escrita. Apesar disso, essa tradição não desapareceu. Esses versos continuam vivos na memória do povo do litoral catarinense. Vivos também em nossa cidade de Imbituba. Então, devemos cada vez mais difundir essa prática.
Atualmente valoriza-se o Halloween, como o Dia das Bruxas e pedidos de doces ou travessuras. Mas o quão rico é o nosso folclore, que dizem que o Halloween tem traços oriundos do nosso Pão por Deus. 


Fontes: 
http://www.divacordeiro.com.br...
Boletim Comissão Catarinense de Folclore 1995

    Palavras-chave
  • Imbituba
  • pão por Deus
  • Baú Açoriano
  • Roni Ronaldo
  • Ronaldo Pires
  • Freguesia de Sant’Anna
  • Portugal
  • Finados
  • Halloween
  • pesquisador
  • comida
  • bilhetes
  • tradição
  • portugueses
  • Tweet
Atenção

As opiniões de nossos colunistas não expressam necessariamente a opinião do Portal AHora e são de responsabilidade dos mesmos. O espaço é aberto para a expressão pessoal, independentemente de credo, linha de atuação ou posição política, de acordo com a forma que cada um de nossos colunistas vê e sente o mundo.


As melhores publicações e novidades no seu e-mail.

logo

Informações, negócios e cultura local atualizados diariamente.

Fale Conosco

48 9 9115.3099
Inbox no Facebook

portalahora@gmail.com

Localização

Imbituba - SC Brasil