Publicidade


Notícias


Pesquise


Confira o poema de consternação e indignação do escritor Dario Cabral Neto sobre a tragédia de Brumadinho: Lágrimas Vermelhas   Artigos

Confira o poema de consternação e indignação do escritor Dario Cabral Neto sobre a tragédia de Brumadinho: Lágrimas Vermelhas

# por Dario Cabral Neto 29-01-2019 há 3 semanas 1542

  • Tweet

Publicidade

Quando a barragem do Rio Doce rompeu, escrevi um poema, senti e imaginei tais sofrimentos como se comigo fora. Tenho filha especial, é impossível imaginar como poderia sobreviver buscando escapar de tal catástrofe. Seríamos colhidos pela morte, é certo. Agora busco nesta proposta compreender, as razões de tanta imperícia, negligência, redundante descaso com a Vida Humana e com a Natureza:

A vida de repente se vê entre lama,
Gritos, desespero, tragédia anunciada num silêncio sabido.
Um vermelho ferro, água contaminada. Desleixo, descaso,
Quantas vezes o caboclo olhou vale acima, secando o suor da fronte?
Quantas vezes se fez a pergunta "até quando"?
Teorias da conspiração? Ganância pura? Quem colocaria os seus diante de tamanha crueldade?
O verde desta bandeira amada, Brasil. 
Suas estrelas não pontilham vermelho...
Nossa face, sim, branda ao vento e em coro tanta dor.
Vidas soterradas, filho segura pai idoso, quantos se foram?
Quantos mais irão? Até quando soberanos podemos permanecer?
Unidos pelo bem maior; a Vida, a Pátria, ao desenvolvimento?


Tento raspar do peito esta lama vermelha.
Lágrimas tingem o verde amado e a vida serena do vale,
E lá no alto envergonha-se a bandeira a meio mastro.
No escuro da maldade, alvos dentes se mostram,
Rindo da desgraça alheia, brutos sem misericórdia...
Destruidores da Pátria, ceifadores de vidas inocentes.
Derrama à criança órfã lágrimas vermelho ferro...
Ladra o cão amigo no desespero da busca...
Enquanto seca a lama sobre corpos nus,
Miríades de outras vidas juntam-se 
Àquelas outras em procissões aos céus...

E o vento sopra pelas colinas a marcha fúnebre 
Amparo destas tantas lágrimas vermelhas em ferro.
Até quando exprime quase mudo o solo Mãe.
A mão estendia aos céus suplica ajuda
Atolada, só, ceifada, suplica...
Freme aliviado o socorrido,
Vibra a lama ao sopro do socorro.
E longe de tudo isto, onde cristalinas são as águas...
Tantos irmãos Pátria derramam lágrimas de vermelho ferro.

__________________________________________________________________________________________

Com 45 anos dedicados a criação de histórias e a produção de livros, Dario Cabral da Silva Neto, de 60 anos escreve poesias e se dedica ao desenvolvimento de romances. Dos 20 títulos já escritos, oito foram publicados.

Entre 1973 e 2000, Dario era, exclusivamente, poeta, mas em 2000, decidiu se transformar em romancista. Entre as surpreendentes obras, que são vendidas por R$ 30, estão os clássicos Catador de Sonhos, Uma Questão de Amor, A Ravina, Pétalas de Amor, O Segredo de Melissa e a Caminhada do Zé Mundão.

Os livros escritos por Dario não tem um foco religioso, mas trazem mensagens espiritualizadas. 

Para adquirir as obras de Dario basta realizar contato com o escritor pelo Messenger do Facebook (in box) ou pelo telefone (48) 999378198. 

    Palavras-chave
  • Imbituba
  • Dario
  • Brumadinho
  • coluna
  • artigo
  • opinião
  • Cabral
  • Neto
  • Vale
  • tragédia
  • lama
  • lágrimas
  • vermelhas
  • poema
  • Vale do Rio Doce
  • mortos
  • soterrados
  • tristeza
  • Tweet
Atenção

As opiniões de nossos colunistas não expressam necessariamente a opinião do Portal AHora e são de responsabilidade dos mesmos. O espaço é aberto para a expressão pessoal, independentemente de credo, linha de atuação ou posição política, de acordo com a forma que cada um de nossos colunistas vê e sente o mundo.


Últimas Notícias


As melhores publicações e novidades no seu e-mail.

logo

Informações, negócios e cultura local atualizados diariamente.

Fale Conosco

48 99115.3012
48 99998.8885
Inbox no Facebook

contato@portalahora.com.br

Localização

Imbituba - SC Brasil