Publicidade


Notícias


Pesquise


Após ouvir população, Prefeitura de Imbituba define ações para os próximos quatros anos Geral

Após ouvir população, Prefeitura de Imbituba define ações para os próximos quatros anos

por Redação 30-05-2017 há 1 ano 230

  • Tweet

Publicidade

Depois de realizar cinco audiências públicas regionais entre os dias 10 e 23 de maio e de reunir conselhos e associações, a Prefeitura de Imbituba apresenta, no dia 8 de junho, o resultado final do seu Plano Plurianual (PPA) 2018/2021. A exposição acontece na Câmara de Vereadores, às 19h30, para toda a população do município.

O PPA é um instrumento destinado a definir, organizar e viabilizar a ação pública, neste caso com vistas a cumprir os fundamentos e os objetivos do município. É por meio dele que é declarado o conjunto das políticas públicas do governo para um período de quatro anos e os caminhos trilhados para viabilizar as metas previstas.

Além dos encontros, o prefeito Rosenvaldo Júnior reuniu os gestores de suas secretarias onde discutiram e avaliaram as metas de cada pasta, bem como o que foi colocado pela população. Esta foi a primeira vez que Imbituba realiza a elaboração do seu Plano de forma totalmente participativa e coletiva, dentro das diretrizes políticas do envolvimento da população na construção dos rumos do desenvolvimento do município.

“Os cidadãos vêm exigindo cada vez mais os direitos e se colocando como parte importante na construção das gestões públicas. Acompanhando essa evolução, temos adotado ações no sentido de aumentar a participação e atender os principais anseios da população, colocando como nossa prioridade as propostas apresentadas pela própria comunidade”, explicou o prefeito.

Diretor da coordenação geral do orçamento participativo, Davi Luiz Schmidt explica que o PPA é apenas uma das etapas que envolvem todo o processo de discussão do orçamento público. “Após a decisão sobre o PPA começa a discussão do orçamento de 2018, o que vai se repetir nos próximos anos. Esse é o momento das pessoas e dos conselhos municipais se manifestarem e opinarem sobre a aplicação do dinheiro público”, afirma.

Agora, o que ficou decidido pelos presentes tomará linguagens jurídicas e contábeis e formarão assim o projeto de Lei que, após a aprovação da Câmara Legislativa e a sanção do Executivo, se tornará Lei que servirá de roteiro para os gastos públicos.